Bom Dia...

.

Cumprimente as pessoas.
Isso se chama AMIZADE!!

Deseje a cada um o melhor .
Isso se chama SINCERIDADE!!

Programe o seu dia, a sua semana.
Isso se chama AÇÃO!!

Acredite que tudo dará certo.
Isso se chama FÉ!!

Faça tudo com alegria.
Isso se chama ENTUSIASMO!!

Dê o melhor de si.
Isso se chama PERFEIÇÃO!!

Ajude a quem precisa.
Isso se chama DOAÇÃO!!

Compreenda que nem todos são como você
Isso se chama TOLERÂNCIA!!

Receba as bençâo com gratidão.
Isso se chama HUMILDADE!!

Essa é uma fórmula infalível
que vai ajudar a sua semana a ser mais feliz.

Uma ótima semana para você!!

Abraços beijos no coração...


BÍBLIA ONLINE https://www.bibliaonline.com.br/aa/mt/1

Google+ Followers

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

O Escudo - Voz da Verdade - Pr. Carlos A. Moysés

Daniel e Samuel. ele

Daniel e Samuel. ele

Daniel e Samuel - Video Clipes - Vencer é preciso

Daniel e Samuel. ele

O Escudo - Voz da Verdade - Pr. Carlos A. Moysés

Cantiamo a Geova — Cantico 140 La vita del pioniere






TOCANDO EM FRENTE - GILSON CASTILHO

Cântico 70 - Certifique se do que é mais importante.

Oração Poderosa para Causa Impossível.

El regreso del hijo pródigo


Oração de Agradecimento

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Mateus 1 Ouvir

https://www.bibliaonline.com.br/aa/mt/1 "OUÇA EM ÁUDIO AS PALAVRAS , DO SENHOR JESUS CRISTO DE NAZARÉ https://www.bibliaonline.com.br/aa/mt/1 1.1.2. No exercício de seu ministério público na Galiléia (4,14–9,50) O Espírito Santo, depois de ter descido sobre Jesus durante sua unção batistmal (3,22a), o plenifica (4,1a) e o conduz através do deserto (v.2a). Em seguida, constata-se novamente Jesus sob o influxo do mesmo Espírito: «Jesus voltou então para a Galiléia, pelo poder do Espírito» (4,14a; cf. 1,35) (17). Estamos diante da introdução sumarizada (4,14-15) (18) à perícope em questão, a qual pode servir também de introdução para todo o ministério público de ensinar de Jesus exercido na Galiléia. A volta de Jesus tem como procedência o deserto, depois que o demônio o tenta naquele lugar (4,1-13) (19). Assim, «é o “poder” do Espírito que está sobre ele e o acompanha no seu ministério na Galiléia (4,14) antes de chegar na sinagoga de Nazaré»(20). A preposição «para» indica a direção para onde ele vai: «para a Galiléia»(21). A finalidade da volta do deserto para a Galiléia é o início de seu ministério público naquela região. Assim como ele não estava sozinho durante as referidas tentações, o mesmo acontece durante sua volta para a Galiléia. A mesma é realizada «pelo poder do Espírito»(22). Mesmo que o termo «Espírito» não seja qualificado, sabe-se pelo contexto anterior (3,22a; 4,1ab) que se trata do Espírito Santo. É o mesmo Espírito que o impulsiona de volta para a Galiléia para começar sua vida pública (4,14a) (23). E é o fato de estar sob o influxo do mesmo que faz com que sua fama se espalhe por toda a região (v.14b) (24). Além disso, Jesus ensina(25) nas sinagogas e é louvado por todos (4,15) (26). O que também confirma que, mesmo que ele até agora não esteja na companhia de nenhuma outra pessoa humana, o Espírito do Senhor o conduz em tudo aquilo que ele faz e diz(27). Até aqui é o poder sobrenatural (céu) que revela Jesus sob o influxo do Espírito Santo, confirmando sua identidade messiânica e filiação divina (3,22b) (28). É também o narrador que revela que tal Espírito o plenifica (4,1a), o conduz através do deserto (4,1b), sendo que sob seu poder ele volta de tal lugar rumo à Galiléia para começar seu ministério público (4,14a) (29). Assim, «o evangelho de Lucas coloca o início da missão história de Jesus na Galiléia sob o poder do Espírito Santo que desce sobre ele em forma pública visível depois do Batismo»(30). Já em seguida, na perícope em questão (4,16-30), é o próprio Jesus que ensina aos seus que o Espírito Santo está presente sobre ele (4,18a) (31). Com isto, ele tem a autoridade necessária para revelar aos seus sua identidade messiânica e que, agora, Deus está disposto a dar-lhes os benefícios que ele veio trazer (4,18-19). Por assim ser, Jesus mesmo por meio de palavras confirma tudo aquilo que tinha sido dito sobre ele até aqui, seja pelo céu (transcendente), seja pelo narrador (imanente). Tudo isso nos faz constatar que ele, até o presente momento da narrativa, não está em companhia de nenhuma pessoa humana, mas somente sob o influxo do Espírito Santo. E se a presença de tal Espírito não é explicitada quando ele diz alguma coisa ou realiza alguma ação, isso não quer dizer que ele não está mais sob o seu poder durante seu ministério. O que quer dizer que o Espírito Santo recebido em sua unção continuou presente sobre ele ao longo de sua missão. Sendo que no final da mesma, ele promete aos seus apóstolos que lhes enviará o mesmo Espírito que os orientarão em suas palavras e ações, para que possam dar continuidade à sua obra salvífica (24,49a). E a promessa de Jesus se cumpre nos Atos dos Apóstolos, quando os mesmos são revestidos pela força do Espírito Santo (At 1,4ss; 2,33.39; Gl 3,14.22; 4,6; Ef 1,13). E para o recebimento do mesmo é indispensável o arrependimento. A partir deste se pode ser beneficiado com o Batismo e o perdão dos pecados (At 2,38) (32)

Mateus 1 Ouvir

https://www.bibliaonline.com.br/aa/mt/1